sexta-feira, 30 de novembro de 2007

CONTROVÉRSIAS

O tempo passa
e eu não acho graça,
nesta desventura;
sinto em meu peito
tanta amargura,
que não sei se vou agüentar...

as tempestades
e os ventos fortes
que sopram em minha mente,
que me deixam sempre descontente,
olhando para a distância
do meu trilhar

se agora
a verdade fala,
o coração
reclama,
se a alma chora,
a esperança
proclama
a vida que levo
neste mundo
chamado ilusão


Regina Azenha

Do livro Fragmentos & Mutações- editado em 1997

Um comentário:

elis disse...

Regina, meus parabéns!!!
as póesias são lindas...maravilhosas.
esta td perfeitooo.
te adoro amigaaa
beijos
Bethy.